Pesquisar este blog

sábado, 16 de junho de 2012

Projeto: Quadrinhos - Douglas e Toda Mafalda

Bão!

É assim que cumprimentaria os leitores o nosso mais novo colaborador, o famigerado Mussarela. Isso mesmo, a partir de agora teremos um colaborador! Mais um e superaremos os leitores em número!

Meu amigo Douglas (o mesmo que aparece nas tirinhas) entusiasmou-se ao ler sobre o meu Projeto: Quadrinhos e quis participar. Fiquei contente pelo interesse dele, pois ele tem uma bagagem de leitura muito maior que a minha; nesta seara que estou começando, ele já está na lida há tempos. E, assim, o projeto dá um passo além: não mais apenas sobre minhas novas experiências comics, mas também impressões e opiniões gerais sobre obras em quadrinhos.

Não combinamos qualquer periodicidade ou obrigatoriedade, vardomiros que somos, então sempre que der na telha dele, teremos textos diferenciados aqui no blog. Bom, com vocês, (o praticamente) Dr. Douglas!



Toda Mafalda

            Existem alguns tipos de produção que conseguem vencer o aspecto do tempo, ou melhor, persistem na sua pertinência. Mesmo com o passar do tempo e consequente mudança da sociedade a sua mensagem ainda continua válida, as pessoas continuam aprendendo essa obra. Assim, alguns filmes, livros, músicas, etc podem ser considerados como perenes, quase perpétuos. E, neste seleto grupo podemos incluir a obra do argentino Quino: Mafalda.

            O primeiro ponto que causa estranheza nessa conclusão é que se trata de uma História em Quadrinhos, ou melhor, a tradicional tirinha, como aquela em você lê despretensiosamente em um jornal qualquer. E nesse ponto já se pode exaltar uma grande força da obra: além de se manter atual, também superou o comum preconceito em relação ao formato de publicação, uma vez que tirinhas, ou “gibi”, ainda são tratados como coisas de criança ou de adulto infantilizado. Nesse caso, além de ter uma linguagem apropriada para públicos mais jovens também pode divertir e instigar pessoas mais velhas. Mafalda é uma obra que desperta um olhar diferenciado das pessoas em relação a sua realidade. A forma como o autor cria estereótipos de tipos sociais clássicos da sociedade argentina, mais específico da sociedade e da desigualdade do capitalismo, faz com que certos detalhes da nossa realidade que, muitas das vezes, passam despercebidos para as pessoas se desnudem e se tornem claras. Talvez aí resida um dos maiores méritos de Mafalda, o de trazer a crítica e o questionamento de forma simples, porém, contundente e sem perder o bom humor característico da tirinha.


            Assim, não é difícil entender os motivos que tornam Mafalda ainda muito pertinente já que muitos dos temas tratados ainda fazem parte da sociedade mundial e vários problemas abordados continuam sendo. Mafalda é uma abordagem atual de velhos problemas que fazem parte da nossa estrutura social e não somente questões pontuais de um ou outro país.



            Os personagens criados por Quino nas tirinhas de Mafalda representam algum tipo de imaginário ou personificação de algumas características básicas de nossa sociedade, enfim, são tipos sociais. Destaque para o trio Manolito, Susanita e a própria Mafalda. Manolito seria o jovem empreendedor em que todos os seus pensamentos se resumem na vontade de fazer a  “vendinha” do pai ganhar mais dinheiro, ou seja, uma grande busca por lucro. Já Susanita seria o retrato muito bem acabado do “inocente útil”, aquela pessoa que se preocupa com a aparência, modismos e status social, a sua grande aspiração é conseguir um bom casamento e ser uma dona-de-casa respeitada socialmente. Uma boa representação daqueles que acreditam em tudo que vem e ouvem. Já Mafalda seria a eterna inconformada, a pessoa que consegue perceber o que está errado e os motivos daquele erro. Logo, trata-se de uma criança questionadora que a medida que descobre o mundo e as relações sociais também descobre a agruras e problemas do lugar em que vive.

Portanto, a leitura de Toda Mafalda é muito mais do que recomendado e faz com que você comece a perceber que História em Quadrinhos não se trata apenas de pessoas sem juízo, usando roupas coladas multicoloridas e cuecas sobre a calça, aliás, o melhor de HQs, normalmente não se encontra nesse gênero.

Douglas "Mussarela" Puglia


0 comentários:

Postar um comentário

Comente! Invente! Faça o Fex mais contente!